Com o Cartão do Cliente, você tem acesso a um mundo de possibilidades, além de descontos na programação e atividades do Sesc em Minas.

Tenha acesso a um mundo de possibilidades!

Sesc em Minas VI Fórum Políticas Culturais, que terá a inclusão como foco

Publicado em 25 de nov de 2022 às 14:33   |   Atualizado em 25 de nov de 2022 às 14:33

Com objetivo de promover a troca de conhecimentos e apresentar novos caminhos para o setor, o Fórum Políticas Culturais terá sua 6ª edição realizada nos dias 29 e 30 de novembro. Estarão presentes referências do mercado cultural nacional e internacional, cujas trajetórias e projetos se destacam por promover a acessibilidade e a inclusão por meio das artes e do entretenimento.

O evento é fruto de uma parceria entre o Sesc em Minas e a Embaixada da França, com apoio do governo do estado. Em 2022, o tema principal é “Cultura: onde todos se encontram”, que propõe uma reflexão sobre o conceito expandido de inclusão por meio da cultura.

A programação terá mesas de diálogos, palestras e pílulas artísticas. Tudo será transmitido gratuitamente via plataforma Zoom. A participação é aberta ao público em geral e as inscrições devem ser feitas via Sympla.

Inclusão em várias frentes

O VI Fórum Políticas Culturais pretende trabalhar o conceito de inclusão no meio cultural de várias formas, debatendo essa temática em contextos ligados a espaços, projetos, recursos e metodologias ligadas à acessibilidade.

A programação contará ainda com a presença de convidados estrangeiros e pequenas apresentações artísticas entre as sessões de conversas. Confira abaixo a programação completa.

SERVIÇO – VI FÓRUM POLÍTICAS CULTURAIS

Datas: 29 (terça) e 30 de novembro (quarta-feira)

Horário: das 17h30 às 21h

Transmissão: Plataforma Zoom

Inscrições: link

 

PROGRAMAÇÃO:

 

29/11/2022

17h30 às 17h50 – ABERTURA OFICIAL: com presença de representantes do Sesc em Minas, Embaixada da França e Governo de Minas/SECULT-MG

 

18h às 19h30 – MESA DE DIÁLOGO: “Soluções de acessibilidade para a fruição cultural”

Essa mesa virtual propõe a apresentação de soluções otimizadas para os investimentos em acessibilidade e inclusão, de forma a contribuir para que os espaços e projetos culturais estejam disponíveis e acessíveis para todo o público.

 

Convidados:

Laís Vitral (MG) | BRASIL – Lais Vitral – Gestora e produtora cultural. Suplente da Cadeira de Produção Cultural no Conselho Estadual de Políticas Culturais de Minas Gerais. Idealizadora e coordenadora geral do Festival Acessa BH, pautado na acessibilidade e no protagonismo da pessoa com deficiência nas artes. @laisvitral e @acessabh

Leonardo Castilho (SP) | BRASIL – Leonardo Castilho, surdo sinalizante, Libras, Português, SI (Internacional de sinais), LSF (Língua Francesa de Sinais). Desde os 10 anos é ator, performer, educador, ativista, MC e produtor. Produtor da Sencity Brasil – festas para a comunidade surda de São Paulo -, e do Festival de Folclore Surdos. Produtor/artista do Festival Clin D’Oeil (França). Faz parte da empresa GDAF (EUA). Produtor de Acessibilidade, assistente e professor de Performance e Corposinalizante do Programa Igual Diferente.

Mediação:  Andreza Nóbrega (PE) | BRASIL – Doutoranda em Teatro pela UDESC com pesquisa envolvendo a pedagogia do teatro, a inclusão e a formação de espectadores. É Mestra em Educação com enfoque na Educação Inclusiva (UFPE), especialista em audiodescrição (UFJF), graduada em Licenciatura em Educação Artística, com habilitação em Artes Cênicas (UFPEMedi).  É atriz, audiodescritora, professora da rede pública de ensino e produtora cultural. Coordenadora da VouSer Acessibilidade, é idealizadora de ações formativas e inclusivas.​

@vouseracessibilidade​

 

19h40 às 21h10 – MESA DE DIÁLOGO: “Neurodiversidade na arte e na cultura”

Uma pessoa neurodivergente é aquela que tem um desenvolvimento neurológico atípico. Ou seja, diferente daquilo que se considera padrão na sociedade. Hoje, dentro desse espectro, é possível encontrar pessoas diagnosticadas com dispraxia, dislexia, transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH), autismo, síndrome de Tourette, entre outras. Nessa mesa a ideia é abordar a participação do neurodivergente na produção cultural, além das possibilidades da arte e da cultura como poder terapêutico e um caminho para a inserção desse público na sociedade.

Convidados:

Marcos Petry / Diário de um Autista (SC) | BRASIL – Graduado em Comunicação Institucional. Pós-graduado em Design Gráfico e Produção Publicitária. Pós-graduado em Transtorno do Espectro Autista. Mestrando em Psicopedagogia. É escritor, com quatro obras publicadas. Auto Defensor da ASCA – Associação Catarinense de Autismo. É Comendador do estado de Santa Catarina por suas contribuições sociais. Youtuber, detentor do canal Diário de um Autista, com mais de 159 mil assinantes. Músico. Poliglota.

Étienne Bernard | FRANÇA – É diretor do Frac Bretagne em Rennes. Anteriormente, dirigiu o Passerelle Centro de Arte Contemporânea em Brest (2013-2019) e o Festival Internacional de Cartaz e Grafismo de Chaumont (2007-2009). Foi também curador associado do CAPC Museu de Arte Contemporânea de Bordeaux (2007-2009). Em 2018, foi curador, com Céline Kopp, da 6ª edição do Les Ateliers de Rennes-Bienal de Arte Contemporânea. De 2010 a 2013, montou e coordenou Fieldwork: Marfa, um programa de pesquisa em residência em Marfa, Texas, Estados Unidos.  

Mediação: Ana Carolina Steinkopf [AdFL5] (DF) | BRASIL – Musicoterapeuta graduada pela UFG. Formação em aba e autismo. MBA Gestão de saúde e competências comportamentais. Especialista em negócios de impacto. Criadora da metodologia Uma Sinfonia Diferente. Prêmio de Tecnologia Social da Fundação do Banco do Brasil pela criação da Sinfonia. Idealizadora da plataforma Musicoterapia & Empreendedorismo, onde ajuda profissionais a se desenvolverem na área empresarial e clínica. Criadora do Mapa Autismo Brasil – levantamento de dados não governamentais sobre autismo no Brasil.

 

 

PROGRAMAÇÃO- 30/11/2022

 

17h30 às 17h35 – Abertura segundo dia

 

17h45 às 19h15 – MESA DE DIÁLOGO: “Cultura e Educação– experiências culturais na formação acadêmica”

Possibilidade de trabalhar a Cultura e a Educação como um caminho, principalmente dentro do campo universitário.

Convidados:

Fernando Mencarelli (MG) | BRASIL – Professor Titular da UFMG, é pesquisador CNPq e diretor teatral. Pró-Reitor de Cultura da UFMG. Doutor e mestre pela Unicamp. Visiting Research Scholar no Graduate Center da City University of New York/CUNY. Pós-Doutoramento em Teatro, no Laboratório ARIAS/CNRS-Universidade Sorbonne Nouvelle/Paris III, França. Professor na graduação em Teatro e na pós-graduação em Artes da Escola de Belas-Artes da UFMG. Representante da UFMG no Conselho Estadual de Política Cultural de Minas Gerais e no Conselho Municipal de Cultura de Belo Horizonte (COMUC). Foi Presidente da ABRACE – Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-graduação em Artes Cênicas.

 

Nadège Mézié | FRANÇA –  Adida para a Ciência e a Tecnologia do Consulado Geral da França em São Paulo. Possui graduação em Sociologia e em Antropologia (2002), mestrado em Antropologia (2004) e doutorado em Antropologia (2011) pela Universidade Paris Descartes.​​

Mediação: Tatiana Schunck (SP) | BRASIL – Escutadora que escreve, artista pesquisadora. Doutora em Artes da Cena pela UNICAMP, professora na graduação no Instituto Singularidades, artista-professora convidada no Laboratório em Artes e Mediação Cultural no Mestrado profissional em Artes da Cena na Escola Célia Helena e coordenadora pedagógica do curso de pós-graduação em Gestão Cultural Contemporânea na Escola Itaú Cultural.

 

 

19h25 às 20h55RODA DE CONVERSA: “Metodologias inclusivas no ensino da arte e da cultura”

Essa Roda de Conversa tem objetivo de debater metodologias inclusivas disponíveis na arte-educação para a interação e aprendizagem dos alunos, ressignificando o direito à cultura. Os convidados apresentarão recursos pedagógicos e metodológicos oferecidos aos atores desse processo que visa a valorização das diferenças, de modo a contemplar a diversidade presente na sociedade.

Convidados:

Nayuda (SP) | BRASIL – Artista MC, slammer, poeta surda, performer e cofundadora do grupo RamariaS e atriz convidada do grupo êBA. Participa e realiza oficinas bilíngues e também atua como consultora de Tradução para Libras em entidades públicas e privadas.

Andreza Nóbrega (PE) | BRASIL – Doutoranda em Teatro pela UDESC com pesquisa envolvendo a pedagogia do teatro, a inclusão e a formação de espectadores. É mestra em educação com enfoque na Educação Inclusiva (UFPE), especialista em audiodescrição (UFJF), graduada em Licenciatura em Educação Artística, com habilitação em Artes Cênicas (UFPE).  É atriz, audiodescritora, professora da rede pública de ensino e produtora cultural. Coordenadora da VouSer Acessibilidade, é idealizadora de ações formativas e inclusivas. @vouseracessibilidade.

Thierry Seguin| FRANÇA – É diretor do Centro Nacional de Criação Adaptada (Centre National pour la Création Adaptée). O CNCA é uma nova instituição criada em 2021, em função do desejo do Ministério da Cultura e das coletividades territoriais de apoiar práticas artísticas adaptadas.​

O Centro Nacional exibe a produção de obras marcantes, bem como os diálogos muitas vezes invisíveis que artistas de ontem e de hoje mantêm com essas práticas. O CNCA oferece expertise, recursos e possibilidade de apoio à pesquisa, criação e profissionalização neste setor.​

Mediação: Edgard Gouveia Jr (SP) | BRASIL – Bioarquiteto e Pós-Graduado em Jogos Cooperativos, ele dedica sua trajetória a mobilização de jovens a adultos desenhando e aplicando jogos, gincanas e ações coletivas. Co-fundador do Instituto Elos, Guerreiros Sem Armas e Oasis Game,  Co-Fundador da LiveLab e Presidente da Epic Journey. Se dedica a transformar o mundo de maneira rápida, divertida e sem colocar a mão no bolso.[AdFL7]

20h55 às 21h – PÍLULAS ARTÍSTICAS: COMPANHIA GIRA DANÇA (RN) | BRASIL

Em 2005, no contexto da cidade de Natal no Rio Grande do Norte, surge a Companhia Giradança tendo como fundadores os artistas da dança Anderson Leão e Roberto Morais. Ela se pavimenta, desde seus primeiros trabalhos, como uma zona capaz de gerar tecnologias inacabadas (coreografias) operadoras de corpos discursivos com o enfoque nas relações tensionais entre corpos com e sem deficiência.

 


Acontece

Cultura Julia Guedes
Cultura A Falecida
Cultura As Madalenas
Cultura Doidas e Santas
Carregar mais