Com o Cartão do Cliente, você tem acesso a um mundo de possibilidades, além de descontos na programação e atividades do Sesc em Minas.

Tenha acesso a um mundo de possibilidades!

Sesc em Minas apoia a mobilização 24 Horas pelo Glaucoma. Saiba como se cuidar

Publicado em 10 de maio de 2024 às 09:53   |   Atualizado em 10 de maio de 2024 às 09:53

Entre as diversas enfermidades oculares, o glaucoma desperta preocupação especial na saúde pública por ser uma doença muitas vezes silenciosa e que pode causar a perda irreversível da visão.

Por isso, em maio, o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) realiza a campanha 24 Horas Pelo Glaucoma. O objetivo é a promoção de ações de conscientização para combater a doença, e reforçar a importância dos exames preventivos.

Mais uma vez, o Sistema Fecomércio MG, Sesc e Senac apoia essa mobilização, lembrando que o diagnóstico precoce e o tratamento adequado podem evitar que a doença evolua para casos graves.

Excelência em oftalmologia

O Sesc em Minas é referência na atenção oftalmológica primária, com consultas disponíveis para públicos de todas as idades.

 

Saiba mais sobre o glaucoma

A Dra. Priscila Vilela, Médica Oftalmologista do Sesc Centro de Excelência em Saúde, esclarece algumas questões importantes sobre a doença:

O que é o glaucoma?

“Às vezes, há uma confusão em relação ao que é, de fato, o glaucoma. Algumas pessoas acham que o glaucoma é a pressão do olho alto, mas esse é, na verdade, o primeiro fator de risco da doença. O glaucoma é a perda de fibras nervosas no fundo do olho, que leva à diminuição do campo visual, por afetar o nervo óptico, estrutura responsável por conectar o que o olho enxerga com o nosso cérebro”.

Quais as causas do glaucoma?

“O glaucoma é causado pelo aumento da pressão intraocular, que por sua vez está associada a fatores genéticos. Essa pressão aumenta por causa de uma disfunção que impede o escoamento do chamado humor aquoso (um líquido transparente produzido pelo nosso organismo e localizado no interior da estrutura ocular). Quando não há esse escoamento, há um aumento da pressão intraocular, ocasionando o glaucoma, que pode ocorrer de quatro formas diferentes, e em diferentes níveis”.

*Os quatro tipos de glaucoma são:

  • Glaucoma primário de ângulo aberto: é o tipo mais comum. Um problema no sistema de drenagem interno do olho faz com que a pressão intraocular fique suficientemente alta, com a consequente lesão do nervo óptico. Evolui, geralmente, de maneira lenta e progressiva, e os pacientes normalmente não percebem nada de errado com a visão.
  • Glaucoma de ângulo fechado: é o segundo tipo mais comum, no qual o problema é uma obstrução da abertura do sistema de drenagem (“fechamento do ralo”). Essa obstrução pode ocorrer de maneira rápida e extensa, resultando num aumento súbito da pressão intraocular, dor forte, enjoo e visão turva. Essa situação mais grave é chamada de glaucoma agudo, mas felizmente representa uma pequena parte dos casos de glaucoma de ângulo fechado. A maioria evolui de maneira mais lenta e sem sintomas.
  • Glaucoma secundário: é quando o glaucoma ocorre por algum outro fator que leva ao aumento da pressão intraocular, como trauma, uso de medicação à base de corticoide, tumores, inflamações, hipertensão arterial e diabetes.
  • Glaucoma congênito: afeta bebês e crianças pequenas e é resultado de um erro na formação do sistema de drenagem do olho, causando aumento da pressão intraocular logo ao nascimento ou nos primeiros meses de vida. Os sinais de alerta são um olho grande e sem brilho, lacrimejamento, grande sensibilidade à luz, fazendo com que a criança fique com as pálpebras bem fechadas em ambientes muito iluminados.

 

Quais os fatores de risco para o desenvolvimento do glaucoma?

“O histórico familiar é o principal fator. Se algum parente de primeiro grau, como irmão, pai, mãe ou até avós apresentar glaucoma, é preciso ficar alerta. Além disso, o glaucoma é mais comum em mulheres acima de 40 e em homens acima dos 60 anos”.

Quais os sintomas do glaucoma?

“Na maioria dos casos de glaucoma, não há sintomas. Vai acontecendo uma perda progressiva de campo visual e, às vezes, ela demora a ser percebida, com exceção do caso de glaucoma de ângulo fechado. Por isso, é tão importante se prevenir e estar em dia com os exames. Afinal, se não houver tratamento, o glaucoma pode ocasionar a perda completa da visão. Atualmente, o glaucoma é a maior causa mundial de perda irreversível de visão”.

O que deve ser feito para identificar o glaucoma?

“É sempre importante procurar o acompanhamento oftalmológico e fazer os exames, principalmente mulheres acima dos 40 anos, homens acima dos 60 e pessoas que tenham histórico familiar da doença. O diagnóstico de glaucoma pode ser obtido por meio de procedimentos como avaliação da pressão ocular, avaliação do nervo óptico, avaliação do campo visual, avaliação do ângulo da câmara anterior, avaliação da espessura da córnea e exames de imagem”.

Como é feito o tratamento de glaucoma?

“Com um diagnóstico bem-feito e precoce, há várias formas de tratamento. A primeira opção são os colírios, utilizados para reduzir a pressão intraocular. Em outros casos, existem procedimentos minimamente invasivos, com a aplicação de um pequeno estêncil na estrutura ocular. Em casos mais graves, há a possibilidade do laser e, por fim, a cirurgia de tubo”.

Faça sua consulta no Sesc

O Sesc em Minas realiza o atendimento primário em oftalmologia, tanto no Sesc Centro de Excelência em Saúde quanto nas Unidades Móveis MedSesc Oftalmologia, que rodam por todo o estado. Temos toda a estrutura e profissionais preparados para consultas básicas e também para dar os devidos encaminhamentos para exames de glaucoma. Saiba como agendar sua consulta: https://sescmg.com.br/servico/oftalmologia/

“A atenção primária é a etapa mais importante no combate ao glaucoma, pois é nela que identificamos alterações que indicam a necessidade da pesquisa do glaucoma”, reforça a Dra. Priscilla Vilela.

Agora que você sabe mais sobre o glaucoma, cuide-se e ajude outras pessoas a se informarem e se conscientizarem sobre a importância do acompanhamento oftalmológico. É possível conhecer mais sobre o tema no site: www.24hpeloglaucoma.com.br